Quarta-feira , 25 Novembro 2020
Os portugueses estão “a desaparecer”

Os portugueses estão “a desaparecer”

Os portugueses estão ‘a desaparecer’.

O envelhecimento da população portuguesa é uma evidência incontornável.
Portugal é o país da União Europeia que mais sofre com esta tragédia social.
Segundo estimativa do INE, em 2050, cerca de 80% da população do país apresentar-se-á envelhecida e dependente e a idade média pode situar-se próxima dos 50 anos.

A nossa Pátria foi contaminada com a já conhecida “Peste grisalha’.
Pela primeira vez na nossa história, a fasquia dos 100 mil nascimentos ano não foi este ano atingida.
Ficámo-nos pelos 90. 206, o que representa um decréscimo alarmante.
Para além de ser o pior da Europa, Portugal é um dos três ou quatro países piores do Mundo em taxa de natalidade (1,2 filhos por mulher, sendo que a taxa da reposição geracional é de 2,1).

O último ano que houve substituição de gerações foi em 1982 (já lá vão 20 anos).
A este cenário dantesco, deve agora acrescentar-se a onda de emigração que nos últimos e nos próximos anos vai assolar o nosso território.

O resultado só pode ser assustador.
Assustador porque desafia a nacionalidade portuguesa.
Assustador porque estamos a uma distância mais curta do que se julga de uma desertificação galopante, (já quase irremediável no interior do país), só possível de combater com fluxos migratórios e com a ocupação do nosso país por parte de imigrantes que tenderão a substituir as populações autóctones.
Assustador porque o envelhecimento dos portugueses e o incremento do seu índice de dependência provocam um penoso aumento dos encargos sociais com reformas, pensões e assistência médica.
Assustador porque se torna quase impossível que esses encargos sejam suportados pelo cada vez menor número de contribuintes activos.
Assustador porque já temos enormíssimas dificuldades em manter a sustentabilidade do sistema de segurança social, do serviço nacional de saúde ou da educação tendencialmente gratuita, de defesa e de segurança interna.

Engane-se quem pensa que a nossa sobrevivência enquanto país soberano depende prioritária e exclusivamente do crescimento económico.
Não há crescimento económico que vença o envelhecimento populacional.
Pode suavizá-lo ou adiá-lo, mas o país caminhará sempre para uma espécie de eutanásia pré-anunciada.

Em anos de fogosidade e crescimento, o défice da segurança social não parou de aumentar, tornando-se já auto-insustentável, porque as contribuições não chegam para pagar as pensões.
Em apenas 20 anos (de 1990 a 2010), a despesa da segurança social quase que duplicou, passando de 9,7% do PIB para 18%.
Se bem que devido a um factor extraordinário (integração do Fundo de Pensões da Banca no regime da Seg. Social) o ano de 2012 foi o primeiro dos últimos 10 em que a Segurança Social registou um défice ou saldo negativo, com 384 milhões € a mais de despesa do que de receita.

Já todos sabemos que não é viável admitir mais agravamentos de impostos e de contribuições que permitam combater ou inverter a situação.

Mas todos os responsáveis políticos têm o dever patriótico e geracional de pensar responsavelmente em medidas de choque para o país.

O Governo esteve envolvido em muitas tarefas urgentes.
Esteve a discutir em Bruxelas o défice deste ano, esteve a discutir na AR o orçamento e ainda está a tentar convencer os mercados de que a nossa divida pode chegar a níveis sustentáveis depois de 2014.

Mas como a guerra contra o envelhecimento é assunto pouco dado a protocolos e como os problemas estão todos ligados, o Governo está também a pensar uma reforma do Estado que já há muito tempo se impunha.
O facto de estarmos resgatados não nos deve inibir de reflectir e decidir sobre outros problemas sérios do país.
É por isso que se deve convocar toda a esquerda a abandonar a populista e até agora eternamente irresponsável tese de que tudo se resolve com aumento de pensões e dos salários dos funcionários públicos e com a manutenção dos direitos adquiridos e dos privilégios instalados.

O dinheiro não é elástico e não aparece de todo o lado.

Ao maior partido da oposição, como alternativa tendencial de poder, não basta manifestar uma qualquer birra por não ter sido chamado à discussão sobre a reforma das funções do Estado antes de outros.
Um partido com ideias e com preocupações governativas, não deve andar a reboque nem escudar-se em questões de forma ou de provincianismo politico.

O PS deve ter iniciativa e dizer agora o que não disse nos últimos anos. Deve explicar, como explicará o Governo, qual o Estado que quer e pode manter para as gerações seguintes.

Os portugueses não podem esperar que a oposição finja que está tudo bem, que proclame que a peçonha vem da troika e que o que está em jogo ou não teve importância ou se resolve com mezinhas ou com tacticismos político-partidários.

O país não aprecia que quem teve e pode vir a ter responsabilidades governativas se deleite ou se regale com a deterioração geracional de Portugal.

Antes de disputarem eleições para governar o País, os partidos têm de querer ter país para Governar.

É por isso vital que ninguém se demita em procurar novas políticas de apoio à natalidade e novas formas de encarar o papel de um Estado que já quase não consegue desempenhar as missões fundamentais que esta vetusta Constituição lhe confere.
Tenho para mim que o verdadeiro problema da nossa envelhecida sociedade não está no envelhecimento da sua população.

Está no que os sucessivos governos não mudaram desde que a sociedade começou a envelhecer.

Precisamos, todos, de mudar a nossa mentalidade, de a renovar, de apostar no incremento da natalidade.

Se assim não fôr, envelhecemos e apodrecemos com o país.

Carlos Peixoto (Advogado e deputado do PSD)
https://www.facebook.com/carlos.peixoto.5201?ref=ts&fref=ts

 

Scroll To Top