Quarta-feira , 24 Janeiro 2018
Desemprego volta a descer em Julho e está agora em 16,5%

Desemprego volta a descer em Julho e está agora em 16,5%

2 de setembro de 2013

PEDRO PASSOS COELHO
 

Encerramento da Universidade de Verão do PSD

“Não é preciso rever a Constituição para cumprir o programa de ajustamento e para implementar estas medidas, é preciso é bom senso”, afirmou o chefe do Executivo. Passos disse ser “um absurdo (…) cristalizar os direitos adquiridos mesmo que não os possamos pagar” e garantiu que o Governo apresentará “muito rapidamente uma alternativa” à medida chumbada, frisando que não será “tão boa” e que terá um preço “sempre mais elevado”.

in Jornal de Negócios – 02-09-2013

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

in Público – 02-09-2013

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Diário Económico – 02-09-2013

in Correio da Manhã – 02-09-2013

in i – 02-09-2013

 

Desemprego volta a descer em Julho e está agora em 16,5%

O desemprego voltou a recuar em Julho, pelo terceiro mês consecutivo. “Sabemos que foi o terceiro mês consecutivo em que o valor do desemprego baixou, o Eurostat fez também uma correção dos meses anteriores, o que significa que esta baixa, neste mês, de facto é maior do que aquilo que parece, afinal o desemprego não terá sido tão elevado quanto foi divulgado nos últimos três meses”, notou o primeiro-ministro, que pediu cautela na análise.

in Diário Económico – 02-09-2013

in Correio da Manhã – 31-08-2013

in Público – 31-08-2013

 

Entrevista a João Ribeiro da Fonseca

“Espero que não [que Seguro não seja o próximo primeiro-ministro]. Mas estou muito descrente no nosso regime político. (…) Passos Coelho é uma pessoa de quem eu instintivamente gosto, parece-me um homem de bem”.

in i – 02-09-2013

 

Os mais poderosos – 5°: Pedro Passos Coelho

Ao contrário do que projectou, 2013 ainda não vai ser o ano do crescimento. Apesar de se ter empenhado, não conseguiu um acordo para trazer o PS para o consenso em torno do período pós-troika. Perdeu dois ministros em quem depositava muita confiança – Vítor Gaspar e Miguel Relvas – e por pouco via o Governo desfazer-se. Pelo meio, a reforma do IRC veio dar novo alento às empresas. Mas Passos Coelho continua a ter no Tribunal Constitucional a principal pedra no sapato, vetando-lhe as principais medidas.

in Jornal de Negócios – 02-09-2013

 

Marcelo Rebelo de Sousa

“O PSD não pode deitar fora a revisão constitucional”, observou na TVI, sublinhando que Passos “tem de governar com a realidade”. Como a intervenção do TC “faz parte das regras do jogo”, não deve dramatizar. E frisou que “a troika só ganha em não complicar as oitava e nona avaliações” e ao permitir flexibilizar as metas do défice. “Eles sabem que o Governo fez tudo”.

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Correio da Manhã – 02-09-2013

in i – 02-09-2013

 

José Sócrates

O ex-primeiro-ministro considerou, ontem, durante o seu habitual comentário na RTP, que Pedro Passos Coelho “tem um problema com a Constituição”. Isto é, segundo José Sócrates, o projeto a longo prazo da atual maioria é retirar do texto fundamental a exigência da “justa causa” para os despedimentos.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

 

Avaliação: Remodelação não dá salvação

A mais recente remodelação governamental pode ter refrescado a equipa de Passos Coelho, mas não logrou, pelo menos aos olhos dos cronistas do “JN”, melhorar a má imagem do Executivo, que mantém uma nota globalmente negativa.

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

 

Entrevista a Bagão Félix

“Não a conheço [Maria Luís Albuquerque] a não ser publicamente, mas acho que parece indiscutivelmente uma pessoa com capacidade e conhecimentos técnicos. É uma decisão consistente do primeiro-ministro.”

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Entrevista a Augusto Mateus

“O Governo não foi capaz de montar um programa de ação coerente e credível. E, portanto, somou dificuldades, insucessos, e também enfrentou um conjunto de formas variadas de oposição política, em todas as instituições onde há política.”

in  Exame – 01-09-2013

 

Entrevista Manuel Monteiro

“O actual primeiro-ministro, enquanto líder do PSD, contestava as nomeações para os gabinetes dos ministérios sem critério. Isso veio a passar-se na mesma. Contestava a dimensão extravagante dos gabinetes que o anterior primeiro-ministro tinha tido. Não consta que os gabinetes actuais tenham diminuído em tamanho.”

in i – 31-08-2013

 

Chumbo do TC ameaça com segundo resgate

O primeiro-ministro acenou na sexta-feira com a ameaça de um segundo resgate ao reagir ao acórdão do Tribunal Constitucional que decretou a inconstitucionalidade de normas da Lei da Requalificação da função pública. “Se não formos capazes, nos próximos meses, de sinalizar aos nossos credores esta reforma estrutural do Estado que garanta que a despesa baixa de uma forma sustentada, o que acontecerá é que não estaremos em condições de prosseguir o nosso caminho sem mais financiamento, sem um segundo programa que garante ao país os meios que ele precisa”, declarou Passos Coelho em Bragança.

in Público – 31-08-2013

in Diário de Notícias – 31-08-2013

in Expresso – 31-08-2013

in Correio da Manhã – 31-08-2013

in i – 31-08-2013

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

 

Poupança de milhões em risco no Estado

Passos Coelho ainda não respondeu ao pedido de audiência de José Tribolet, um dos membros do conselho consultivo que acompanham o programa de modernização informática do Estado. O grupo criado pelo Governo em meados de 2012 está sem liderança desde março. Tribolet considera este vazio de comando “dramático” e alerta que “estamos a gastar mais do que o previsto devido à fragmentação na aplicação das medidas”.

in Expresso – 31-08-2013

 

Passos inaugurou últimas obras de Jorge Nunes

A população de Bragança aceitou o convite do município e ontem compareceu em massa na inauguração das obras de requalificação do antigo Forte de São João, onde está localizado o novo edifício dos Paços do Concelho. O corte da fita esteve a cargo do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que se referiu ao município brigantino como um caso que deverá ser “inspirador para outros municípios e para o país”, porque às obras realizadas juntou uma intervenção “mais profunda no tecido económico e social”.

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

Como os partidos dão a volta na campanha

Se os media não cobrem as campanhas dos candidatos autárquicos, então os líderes dos partidos entram em cena. Será assim no PSD e no PS, com Pedro Passos Coelho e António José Seguro a darem a cara pelo combate eleitoral de meio da legislatura.

in Expresso – 31-08-2013

 

Prémio António Champalimaud

O Presidente da República e o primeiro-ministro vão estar presentes, quarta-feira, na cerimónia de entrega do Prémio António Champalimaud 2013.

in Correio da Manhã – 02-09-2013

 

Agenda

O primeiro-ministro recebe hoje o ministro das relações exteriores de Angola.

in Correio da Manhã – 02-09-2013

 

Altos e baixos

Pedro Passos Coelho em baixo: O chumbo do Tribunal Constitucional ao diploma de requalificação dos funcionários públicos é um fator de pressão adicional para o Governo. Pode, no entanto, dar alguma margem para uma eventual flexibilização das metas do défice e suavização das medidas de austeridade, na medida em que a culpa será atribuída, mais uma vez, ao Tribunal Constitucional.

in Expresso/ Economia – 31-08-2013

 

Acima abaixo

Passos Coelho abaixo: Reação à decisão do Tribunal Constitucional deu um golpe no otimismo que parecia querer contrariar a crise.

in Correio da Manhã – 31-08-2013

 

Semáforo

Pedro Passos Coelho com sinal vermelho: Foi de forma crispada que comentou o veredicto do Tribunal Constitucional sobre a mobilidade. Lá foi dizendo que iam ser estudadas alternativas, mas no fundo optou por passar à ameaça de novos aumentos de impostos ou de um novo resgate, se o TC mantiver o que definiu como leitura restritiva.

in i – 31-08-2013

 

Semáforo

Pedro Passos Coelho com sinal vermelho: O primeiro-ministro afirma que os 900 mil desempregados não devem nada ao Tribunal Constitucional. Tem toda a razão: devem-lhe tudo a ele. Se a lei do despedimento sem justa causa dos funcionários públicos passasse, eram mais 50 mil

in i  – 02-09-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Quem quer fazer a reforma do Estado? – Editorial de Helena Garrido

in Jornal de Negócios  – 02-09-2013

Pergunte-se aos desempregados – Editorial de Ana Sá Lopes

in i – 02-09-2013

Bom senso, Constituição e Presidente da República – Editorial

in Diário de Notícias – 02-09-2013

Selvagens, Olivença, Perejil e Gibraltar – Editorial

in Diário de Notícias- 01-09-2013

Hora para ajustar o ajustamento? – Editorial

in Público – 01-09-2013

O fantasma do segundo resgate – Editorial

in Público – 31-08-2013

Constituição em causa – Editorial

in Expresso – 31-08-2013

O verão está a acabar – Editorial de João Marcelino

in Diário de Notícias – 31-08-2013

Todos iguais perante a lei, não é? – Editorial de André Macedo

in Diário de Notícias/ Dinheiro Vivo – 31-08-2013

Em defesa de todos – Editorial de Eduardo Oliveira e Silva

in i – 31-08-2013

Pastoril governaçãoAntónio Correia de Campos

in Público – 02-09-2013

Já alguém perguntou? – José Rodrigues

in Correio da Manhã – 02-09-2013

Autárquicas, constituição e piropos – Tomás Vasques

in i – 02-09-2013

A Oeste nada de novo – Isabel Vaz

in Diário de Notícias – 01-09-2013

O bloco inevitável – Ricardo Costa

in Expresso – 31-08-2013

Mais uma semana perdida – Luís Pedro Nunes e outros

in Expresso – 31-08-2013

O chumbo terrível – Martim Avillez Figueiredo

in Expresso – 31-08-2013

E depois dos bons sentimentos? – Daniel Oliveira

in Expresso – 31-08-2013

O economista inconveniente – Nicolau Santos

in Expresso/ Economia – 31-08-2013

A democracia é uma chaticeNuno Saraiva

in Correio da Manhã – 31-08-2013

O regresso dos zombies – Pedro Adão e Silva

in Expresso – 31-08-2013

Passos e as derrotas – Carlos Rodrigues

in Correio da Manhã – 31-08-2013

Conversa séria sobre o Estado – Manuel Tavares

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

O espelho da incúria – São José Almeida

in Público – 31-08-2013

Cinema português: o alarme soa – Miguel Gomes e Luís Urbano

in Público – 31-08-2013

InaceitávelMaria de Belém Roseira

in Correio da Manhã – 31-08-2013

Dados errados ou não? – Ricardo Reis

in Diário de Notícias/ Dinheiro Vivo – 31-08-2013

Tentativa e erro – António Perez Metelo

in Diário de Notícias/ Dinheiro Vivo – 31-08-2013

 

Opinião dos leitores

Cruzada constitucional

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

Passos e os juizes d o TC

in Correio da Manhã – 02-09-2013

TC 3, Governo 0

in Diário de Notícias – 01-09-2013

Os mercados somos todos nós

in Público – 01-09-2013

Verdades são para ser ditas

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

O país do pântano

in Expresso – 31-08-2013

Baralha e dá de novo

in Expresso – 31-08-2013

Desafio à Constituição

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

MARCO ANTÓNIO COSTA
 

Baixas médicas “em papel” acabaram para evitar fraudes

Os Certificados de Incapacidade Temporária são, desde este domingo, obrigatoriamente transmitidos electronicamente entre os serviços de saúde e da Segurança Social para evitar fraudes no subsídio da doença. Em Junho, o então secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, Marco António Costa, revelou terem sido detectadas milhares de baixas médicas que não obedeciam aos requisitos legais e garantiu que o Governo seria “completamente intransigente” com este tipo de situações.

in Público – 02-09-2013

 

Oposição culpa Governo da hipótese de segundo resgate

O vice-presidente do PSD insistiu em colocar o TC no centro das críticas, acusando os juízes do Palácio Ratton de terem uma “interpretação conservadora” da Constituição. “A interpretação que é feita de alguns princípios constitucionais leva, na nossa ótica, a um imobilismo absoluto e a uma incapacidade reformista do Estado. Nós não temos absolutamente nenhum problema com o conteúdo, as normas e a letra da Lei da Constituição, mas sim com a interpretação conservadora e que leva a um imobilismo absoluto”, disse o número dois de Passos Coelho no partido.

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

 

Como os partidos dão a volta na campanha

Se os media não cobrem as campanhas dos candidatos autárquicos, então os líderes dos partidos entram em cena. Será assim no PSD e no PS, com Pedro Passos Coelho e António José Seguro a darem a cara pelo combate eleitoral de meio da legislatura. O primeiro-ministro e líder do PSD terá intervenções regulares na campanha, e Marco António Costa, o homem que Passos pôs à frente do partido depois da saída de Jorge Moreira da Silva para o Governo, irá ter ações de campanha diárias no terreno, de 13 a 27 de setembro, numa colagem total ao líder socialista, que também andará na estrada.

in Expresso – 31-08-2013

 

Marco António passa ao ataque

Marco António Costa, o homem que Passos pôs à frente do PSD na preparação dos próximos combates eleitorais, teme o pior: “Temos a noção de que o PS tentará lançar polémicas e campanhas de desinformação em torno do próximo orçamento e dos cortes no Estado para tentar retirar ganhos nas autárquicas”, afirmou ao Expresso, avisando que, “no essencial, o que é relevante do orçamento já é conhecido da opinião pública e não vale a pena estar a inventar jogadas escondidas que não existem”. Para Pedro Passos Coelho, mais do que bater no PS, a prioridade é outra: manter determinação na agenda sem se deixar acantonar no papel de Governo cada vez mais isolado e é esse o grande desafio da sua rentrée.

in Expresso – 31-08-2013

 

JOSÉ MATOS ROSA
 

Nada a assinalar.

LUÍS MONTENEGRO
 

Sobe e desce

Luís Montenegro e Nuno Magalhães sobem: Entra hoje em vigor a lei que regula os graffiti e prevê multas elevadas para os prevaricadores. A lei foi aprovada pelos grupos parlamentares do PSD e do CDS, que deste modo tentaram separar aquilo que é a arte urbana do vandalismo que degrada o espaço público e agride o direito de propriedade. A coacção por via da lei, bem se sabe, não resolve tudo, mas face ao que se verifica nas ruas ou nos transportes públicos não fazer nada seria a pior solução.

in Público – 02-09-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Pergunte-se aos desempregados – Editorial de Ana Sá Lopes

in i – 02-09-2013

 

PSD
 

Eleições sem peso no Governo marcadas por independentes

Para Paulo Rangel, as autárquicas “não terão impacto relevante sobre a governação nem estabilidade política, mesmo que seja um resultado menos positivo para os partidos da maioria. O que pode mudar é uma coisa mais estrutural, mais profunda, mais importante para o regime e não percetível no imediato mas com implicações sérias no médio prazo”. Na situação atual, o PSD é o maior partido autárquico. Detém 140 presidências de câmara contra 131 do PS, embora o PS tenha tido maior percentagem de votantes. As expectativas criadas em relação ao PSD para estas eleições não são de grande exigência, nem dentro nem fora do partido. O aparelho receia um desastre eleitoral devido às medidas de austeridade e à própria crise política.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

 

Entrevista à ministra da Justiça

Sobre a possibilidade de um dia vir a liderar o PSD, hipótese admitida por vários dirigentes do partido, dispara: “isso é absolutamente tão estratosférico que não tem nenhum sentido. Estamos no domínio, com toda a clareza, do irrealismo. Eu propus-me cumprir um programa, que de resto era um programa que propus nas minhas intervenções na Universidade de Verão, ipsis verbis. Não há nada que eu tenha mudado.”

in Público – 02-09-2013

 

Correia de Campos diz que é preciso renegociar a dívida

O eurodeputado do PS Correia de Campos defendeu no sábado que se deve começar já a preparar a renegociação da dívida, sublinhando que será tarefa difícil e para “pessoas de barba rija”. “Temos de exigir mais tempo e menos juros. Temos de começar a negociar a dívida ou por moratória ou por congelamento ou por corte de cabelo”, defendeu na universidade de Verão do PSD.

in i – 02-09-2013

 

Marcelo Rebelo de Sousa

“O PSD não pode deitar fora a revisão constitucional”, observou na TVI, sublinhando que Passos “tem de governar com a realidade”. Como a intervenção do TC “faz parte das regras do jogo”, não deve dramatizar. E frisou que “a troika só ganha em não complicar as oitava e nona avaliações” e ao permitir flexibilizar as metas do défice. “Eles sabem que o Governo fez tudo”.

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Correio da Manhã – 02-09-2013

in i – 02-09-2013

 

Lei que proíbe grafitos entrou ontem em vigor

A lei que regula a realização de grafitos e os proíbe em alguns locais públicos como monumentos e transportes públicos entrou ontem em vigor, prevendo coimas para os infratores que podem chegar aos 25 mil euros e penalizações que podem levar os custos da remoção a serem pagos pelos infratores. A proposta de lei foi votada favoravelmente em julho na Assembleia da República pelos deputados da maioria PSD/CDS-PE Na ocasião, o PS absteve-se e a restante oposição votou contra a proposta, que visa atribuir às câmaras municipais a decisão de autorizar ou não a realização de grafitos.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Público – 02-09-2013

 

Entrevista a José Soeiro

O candidato do BE à Câmara do Porto afirma: “Nos últimos anos, o Governo do PSD/CDS cortou salários e pensões, reduziu a comparticipação dos medicamentos e, enquanto isso acontecia, essas medidas tiveram o silêncio e o acordo daqueles que hoje se candidatam em nome desses partidos. Não é com esmolas que se vai resolver o problema do empobrecimento e da crise. É com medidas justas. E com a capacidade de a câmara responder à crise social, assumir o papel que pode ter, por exemplo, na criação de emprego.”

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

 

Lei que proíbe grafitos entrou ontem em vigor

A lei que regula a realização de grafitos e os proíbe em alguns locais públicos como monumentos e transportes públicos entrou ontem em vigor, prevendo coimas para os infratores que podem chegar aos 25 mil euros e penalizações que podem levar os custos da remoção a serem pagos pelos infratores. A proposta de lei foi votada favoravelmente em julho na Assembleia da República pelos deputados da maioria PSD/CDS-PP. Na ocasião, o PS absteve-se e a restante oposição votou contra a proposta, que visa atribuir às câmaras municipais a decisão de autorizar ou não a realização de grafitos.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Público – 02-09-2013

 

Constituição: “Filhos e enteados”

Marques Mendes afirmou anteontem que para os juízes do Tribunal Constitucional “temos uma Constituição para filhos e outra para enteados”, que permite os despedimentos no privado e proíbe-os no Estado. Foi desta forma que o antigo líder do PSD comentou na SIC o veto do TC ao diploma da mobilidade na função pública, considerando que se trata de uma mera interpretação de sete juízes.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Entrevista a Augusto Mateus

“A democracia é assim. É feita da combinação de poderes e do respeito por eles. As eleições em democracia não apuram a verdade, apuram quem tem o direito e o dever de governar. O que ficou desta primeira fase da governação foi uma ideia, que o Presidente da República não deixou de vincar, embora tardiamente, porque era clara há mais de um ano: é impossível honrar os compromissos e acelerar a entrada num período de recuperação sem uma base social e política mais larga para algumas medidas essenciais. Convém não ter ilusões: temos de ter um acordo entre o CDS, o PSD e o PS para as medidas essenciais mais difíceis, sob pena de não ser possível fazer a recuperação, que vai além dos tempos eleitorais.”

in  Exame – 01-09-2013

 

Entrevista Manuel Monteiro

“O actual primeiro-ministro, enquanto líder do PSD, contestava as nomeações para os gabinetes dos ministérios sem critério. Isso veio a passar-se na mesma. Contestava a dimensão extravagante dos gabinetes que o anterior primeiro-ministro tinha tido. Não consta que os gabinetes actuais tenham diminuído em tamanho.”

in i – 31-08-2013

 

Cabe ao Parlamento alterar lei que rege juízes do Constitucional

O regime de férias dos juízes do Tribunal Constitucional só pode ser alterado por uma nova lei orgânica da Assembleia da República e nunca pelos membros do coletivo, mesmo que o quisessem. Ontem, o PSD defendeu a alteração das férias dos juizes daquele órgão de soberania. Citada pelo “Público”, a vice-presidente Teresa Leal Coelho afirmou: “Temos de ponderar, refletir para melhorar o sistema O TC não deve ser intermitente, deve funcionar 12 meses por ano.”

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

Olival intensivo questionado na AR

O projeto de um olival de 70 hectares, no barrocal algarvio, em Loulé, ameaça o aquífero de Querença-Silves e pode destruir habitais protegidos, alerta a associação ambientalista Almargem. Esta semana, os deputados do PS Miguel Freitas e João Soares questionaram o Governo sobre este projeto, de um grupo finlandês ligado ao turismo, que ocupa terrenos em Reserva Ecológica Nacional e Rede Natura e que foi autorizado sem Estudo de Impacte Ambiental.  

in Expresso – 31-08-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Fraudes convenientesJoão Galamba

in Diário Económico – 02-09-2013

Um país de políticosJoão César das Neves

in Diário de Notícias – 02-09-2013

O bode expiatório – Fernando Sobral

in Jornal de Negócios – 02-092013

Um país de políticos – João César das Neves

in Diário de Notícias – 02-09-2013

A economia e a política – Nicolau Santos 

in Exame – 01-09-2013

 

Opinião dos leitores

Os mercados somos todos nós

in Público – 01-09-2013

 

CAVACO SILVA
 

Governo reafirma na ONU reivindicação portuguesa sobre as ilhas Selvagens

O Ministério dos Negócios Estrangeiros garante estar a preparar um documento formal para “reiterar, por escrito, a posição de Portugal junto da ONU, tal como fez em 2009” para enviar brevemente às Nações Unidas. Esta é a posição oficial de Rui Machete, transmitida pelo seu gabinete através de Francisca Seabra, em reação à notícia avançada ontem pelo “DN” sobre a recusa de Madrid em aceitar a atribuição às ilhas Selvagens de uma Zona Económica Exclusiva (ZEE).  

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Diário de Notícias – 01-09-2013

in i – 02-09-2013

 

Prémio António Champalimaud

O Presidente da Republica e o primeiro-ministro vão estar presentes, quarta-feira, na cerimónia de entrega do Prémio António Champalimaud 2013.

in Correio da Manhã – 02-09-2013

 

Entrevista a Bagão Félix

“O Presidente esteve bem quando procurou um compromisso ao não existir um consenso entre os três partidos. Mas, repito, o teste decisivo é o Orçamento do Estado.”

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Entrevista a António Barreto

O balanço dos 25 anos de adesão à UE e o apontar pistas para o futuro feito pelo pensador António Barreto. Contundente, afirma que “o Presidente da República é um órgão de soberania aparente”. E falando sobre as responsabilidades da classe política afirma: “Por omissão, por silêncio, eu sei de muitos erros que cometi”.

in Público – 01-09-2013

 

Entrevista a Augusto Mateus

“A democracia é assim. É feita da combinação de poderes e do respeito por eles. As eleições em democracia não apuram a verdade, apuram quem tem o direito e o dever de governar. O que ficou desta primeira fase da governação foi uma ideia, que o Presidente da República não deixou de vincar, embora tardiamente, porque era clara há mais de um ano: é impossível honrar os compromissos e acelerar a entrada num período de recuperação sem uma base social e política mais larga para algumas medidas essenciais. Convém não ter ilusões: temos de ter um acordo entre o CDS, o PSD e o PS para as medidas essenciais mais difíceis, sob pena de não ser possível fazer a recuperação, que vai além dos tempos eleitorais.”

in  Exame – 01-09-2013

 

Líderes partidários regressam

Constitucional; Contas do Estado; Cavaco; Coligação; Câmaras. Cinco “C” que vão marcar o ano político que este fim de semana tem o seu grande pontapé de saída, com as rentrées políticas de Seguro, Portas e João Semedo. Além de Passos, que repete o discurso de rentrée, depois do Pontal, há quinze dias. O Governo, apesar dos sinais positivos na economia e na confiança, enfrenta uma tarefa hercúlea: o TC pode travar várias das leis da chamada reforma do Estado. As contas públicas estão ameaçadas e não há ainda garantias de folga por parte de Bruxelas. A coligação foi colada in extremis, mas vai ser submetida a testes duros. E o Presidente deve continuar no centro da vida política.

in Expresso – 31-08-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Bom senso, Constituição e Presidente da República – Editorial

in Diário de Notícias – 02-09-2013

O momento da bolsa portuguesa – Ulisses Pereira

in Jornal de Negócios /Investidor Privado  – 02-09-2013

Quem quer fazer a reforma do Estado? – Editorial de Helena Garrido

in Jornal de Negócios  – 02-09-2013

Um dia, teremos um acórdão assim – João Cotrim

in Diário Económico – 02-09-2013

Fazer históriaBerta Cabral

in Diário de Notícias – 02-09-2013

Selvagens, Olivença, Perejil e Gibraltar – Editorial

in Diário de Notícias- 01-09-2013

Mudar o sistema – João Vaz

in Correio da Manhã – 01-09-2013

Pela nova possibilidade de votar Menezes em qualquer local do país – Comendador Marques de Correia

in Expresso /Revista – 31-08-2013

Palavras necessárias – Fernando Madrinha    

in Expresso – 31-08-2013

Os incêndiosJoão Marcelino

in Expresso – 31-08-2013

A célebre equidade – Henrique Monteiro

in Expresso – 31-08-2013

Querem acabar com o Colégio Militar?Luís Mergulhão

in Expresso – 31-08-2013

Desigualdade na hora da morte – Tiago Mota Saraiva

in i – 31-08-2013

 

Opinião dos leitores

Verdades são para ser ditas

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

 

ANTÓNIO JOSÉ SEGURO
 

“A troika só ganha se não complicar as avaliações”

Marcelo Rebelo de Sousa considerou ontem na TVI que é preciso desdramatizar o chumbo do Tribunal Constitucional ao diploma da mobilidade da função pública. E frisou que “a troika só ganha em não complicar as oitava e nona avaliações” e ao permitir flexibilizar as metas do défice. “Eles sabem que o Governo fez tudo”, argumentou.  Acusou ainda o primeiro-ministro de “falta de bom senso” acusação que Passos fez aos juízes do Palácio Ratton – ao dizer que a Constituição está bem e os juízes  é que estão mal, quando no início do seu mandato como líder do PSD quis abrir um processo de revisão constitucional. Do mesmo acusou o líder do PS, António José Seguro, ao ter falado na possibilidade de um segundo resgate na rentrée socialista.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

 

Sobe e Desce

Uma de rodapé na história: António José Seguro e Paulo Portas não vão ficar na história desta rentrée. O líder do PS teve um discurso inconsequente e limitou-se a repetir mensagens políticas que estão na sua agenda há meses. Portas tem mais poder, de facto, no Governo, mas está sob pressão e não foi capaz de demonstrar como vai ser a relação de Portugal com a troika, agora sob a sua tutela.

in Diário Económico – 02-09-2013

 

Sem falar em eleições, Seguro quer PS pronto para governar

No encerramento da Universidade de Verão do PS, António José Seguro deixou de lado o discurso que os socialistas alimentaram, até julho, de pedido de eleições para concentrar o partido na construção das “bases do programa do futuro Governo”, a “antecipar e apresentar, durante o próximo ano”. Seguro alinhou um longo ataque ao Governo, onde afirmou a mais “firme oposição a mais cortes nas funções sociais do Estado”, para depois recordar que “o segundo resgate de que o primeiro-ministro periodicamente fala nada tem que ver” com esse Estado social. “É a incompetência e são as políticas erradas do Governo que nos colocam sob o risco de um segundo resgate.”

in Diário de Notícias – 01-09-2013

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

in Público – 01-09-2013

in Correio da Manhã – 01-09-2013

in Diário Económico – 02-09-2013

in Jornal de Negócios – 02-09-2013

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

in Público – 02-09-2013

in Diário de Notícias – 31-08-2013

in Expresso – 31-08-2013

 

Eleições sem peso no Governo marcadas por independentes

Na situação atual, o PSD é o maior partido autárquico. Detém 140 presidências de câmara contra 131 do PS, embora o PS tenha tido maior percentagem de votantes. Para o PS, apesar de António José Seguro não elevar a fasquia, ganhar as eleições seria um balão de oxigénio para o partido, sobretudo em termos de liderança.

in Diário de Notícias – 02-09-2013
Entrevista a Bagão Félix

“Acho que António José Seguro é um político esforçado e trabalhador, que deve ter muitas dificuldades no seu próprio partido face aos redemoinhos que nele parecem existir. Ele tem a fama de ser indeciso, de ser uma pessoa relativamente cinzenta… Não sei, são situações que só se verificam quando as pessoas estão em lugares de maior responsabilidade. Mas tenho de admitir, e agora não falo de António José Seguro, falo no geral das lideranças partidárias, que tanto em Portugal como noutros países da própria Europa, está-se a caminhar para lideranças cada vez mais cinzentas e menos assertivas, e isso não é um bom indício na vida política.”

in Diário de Notícias – 01-09-2013
Constituição: “Filhos e enteados”

Marques Mendes comentou também na SIC o discurso de rentrée do líder socialista. Na sua opinião, o grande desafio de António José Seguro é impedir a “OPA” que António Costa quer lançar sobre a liderança do PS e conseguir-se aguentar no lugar até 2015. É neste sentido que diz ter levado o secretário-geral socialista a anunciar que vai apresentar as bases de um programa de governo. “Seguro quer antecipar os calendários para condicionar os adversários internos”. Considerou ainda tratar-se de uma “jogada inteligente” mas “defensiva”.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Líderes partidários regressam

Constitucional; Contas do Estado; Cavaco; Coligação; Câmaras. Cinco “C” que vão marcar o ano político que este fim de semana tem o seu grande pontapé de saída, com as rentrées políticas de Seguro, Portas e João Semedo. Além de Passos, que repete o discurso de rentrée, depois do Pontal, há quinze dias. O Governo, apesar dos sinais positivos na economia e na confiança, enfrenta uma tarefa hercúlea: o TC pode travar várias das leis da chamada reforma do Estado. As contas públicas estão ameaçadas e não há ainda garantias de folga por parte de Bruxelas. A coligação foi colada in extremis, mas vai ser submetida a testes duros. E o Presidente deve continuar no centro da vida política.

in Expresso – 31-08-2013

in Expresso – 31-08-2013

 

Como os partidos dão a volta na campanha

Se os media não cobrem as campanhas dos candidatos autárquicos, então os líderes dos partidos entram em cena. Será assim no PSD e no PS, com Pedro Passos Coelho e António José Seguro a darem a cara pelo combate eleitoral de meio da legislatura.

in Expresso – 31-08-2013

 

Seguro ‘entra’ na campanha em Oeiras

António José Seguro inicia na quarta-feira, em Oeiras, a sua participação na campanha eleitoral no continente para as autárquicas do próximo dia 29 de setembro, apoiando as candidaturas de Marcos Sá à presidência da câmara municipal e de João Proença à assembleia municipal.

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

CARLOS ZORRINHO
 

Passos evita confronto com o TC

Em declarações ao “JN”, o líder parlamentar do PS acusou Passos Coelho de governar “como se a alteração constitucional que pretendia tivesse sido aprovada”. Para Carlos Zorrinho, “gere com o modelo constitucional que não teve coragem de sujeitar aos portugueses”.

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

 

PS
 

PS acusa Passos de críticas ásperas ao TC

O PS acusou ontem o primeiro-ministro de criticar “asperamente” quem faz cumprir a Constituição e disse que Passos Coelho não é analista para fazer análises das decisões do Tribunal Constitucional. “São declarações preocupantes quer da perspectiva que o primeiro-ministro tem do Estado de direito quer em termos de opções que vão castigar muito, quem muito castigado já tem vindo a ser por este Governo”, disse Basílio Horta.

in Público – 02-09-2013

in i – 02-09-2013

 

Constitucionalistas dizem que Governo pode baixar salários a excedentários

O Tribunal Constitucional (TC) fechou a porta ao despedimento da maioria dos funcionários públicos, argumentando que tal colidiria com as “sólidas” expectativas dos funcionários. No acórdão onde justificam a decisão, os juízes argumentam que estas expectativas foram alimentadas pela reforma de 2008 e pela defesa dos mais recentes cortes salariais. Na reforma de 2008, o governo do PS passou a maioria dos funcionários do vínculo de nomeação para contrato, protegendo-os, no entanto, do desemprego. Ainda assim, os sindicatos acusaram-no de estar a fragilizar o vínculo, abrindo a porta aos despedimentos. Os juízes vêm agora dizer o contrário: como foi criada a norma que protegia as pessoas do despedimento, a expectativa de estabilidade saiu reforçada.

in Jornal de Negócios – 02-09-2013

 

Correia de Campos diz que é preciso renegociar a dívida

O eurodeputado do PS Correia de Campos defendeu no sábado que se deve começar já a preparar a renegociação da dívida, sublinhando que será tarefa difícil e para “pessoas de barba rija”. “Temos de exigir mais tempo e menos juros. Temos de começar a negociar a dívida ou por moratória ou por congelamento ou por corte de cabelo”, defendeu na universidade de Verão do PSD.

in i – 02-09-2013

 

Lei que proíbe grafitos entrou ontem em vigor

A lei que regula a realização de grafitos e os proíbe em alguns locais públicos como monumentos e transportes públicos entrou ontem em vigor, prevendo coimas para os infratores que podem chegar aos 25 mil euros e penalizações que podem levar os custos da remoção a serem pagos pelos infratores. A proposta de lei foi votada favoravelmente em julho na Assembleia da República pelos deputados da maioria PSD/CDS-PP. Na ocasião, o PS absteve-se e a restante oposição votou contra a proposta, que visa atribuir às câmaras municipais a decisão de autorizar ou não a realização de grafitos.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Público – 02-09-2013

 

Entrevista a Augusto Mateus

“A democracia é assim. É feita da combinação de poderes e do respeito por eles. As eleições em democracia não apuram a verdade, apuram quem tem o direito e o dever de governar. O que ficou desta primeira fase da governação foi uma ideia, que o Presidente da República não deixou de vincar, embora tardiamente, porque era clara há mais de um ano: é impossível honrar os compromissos e acelerar a entrada num período de recuperação sem uma base social e política mais larga para algumas medidas essenciais. Convém não ter ilusões: temos de ter um acordo entre o CDS, o PSD e o PS para as medidas essenciais mais difíceis, sob pena de não ser possível fazer a recuperação, que vai além dos tempos eleitorais.”

in  Exame – 01-09-2013

 

“Uma mulher a quem o País deve muito”, diz João Cravinho

“Conhecia-a muito jovem, nos anos 60. Era uma mulher rigorosa, determinada, extremamente competente que estudava os dossiês a fundo, de trato simples, ou não fosse alentejana porque quem nutri uma enorme amizade. Era uma pessoa discreta, em quem podíamos confiar, a quem se pedia ajuda. Lamento profundamente a sua morte. Estou, de alguma forma, surpreendido, embora tivesse conhecimento da sua doença prolongada. Mas não sabia que a Maria José Constâncio tinha falecido”, disse ao “DN” João Cravinho.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Açores reforçam apoios a criadores

O Governo dos Açores anunciou um reforço dos apoios aos criadores de gado da Graciosa, para compra de alimentos para os animais, por causa do impacto da seca, depois um inverno rigoroso, nas pastagens da ilha.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Costa não afasta candidatura à liderança do PS

António Costa volta a não pôr de lado a possibilidade de uma candidatura à liderança do PS. Questionado sobre se continua a pôr a hipótese de suceder a António José Seguro, mesmo só em 2015, o presidente da Câmara de Lisboa e recandidato diz que “não tem de autolimitar” a sua “vida política”. Em entrevista ao “Sol”, Costa garante que, para já, o que deseja é ser “um bom” autarca, mas também admite que “nunca nada está encerrado na vida política”.  

in i – 31-08-2013

 

Socialistas devem assumir os erros sem “complexos”

A eurodeputada Ana Gomes afirmou, na Universidade de Verão do partido que os socialistas não devem ter “complexos” em assumir os erros cometidos na governação de José Sócrates, nem colocarem entraves à investigação de casos como as PPP ou os swaps, como tem acontecido. Defendeu que, para “serem credíveis aos olhos da opinião pública como alternativa política, têm de voltar a uma exigência na conduta como políticos e de respeito pela ética republicana”, que é a defender o interesse público”, sustentou.

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

 

Olival intensivo questionado na AR

O projeto de um olival de 70 hectares, no barrocal algarvio, em Loulé, ameaça o aquífero de Querença-Silves e pode destruir habitais protegidos, alerta a associação ambientalista Almargem. Esta semana, os deputados do PS Miguel Freitas e João Soares questionaram o Governo sobre este projeto, de um grupo finlandês ligado ao turismo, que ocupa terrenos em Reserva Ecológica Nacional e Rede Natura e que foi autorizado sem Estudo de Impacte Ambiental.  

in Expresso – 31-08-2013

 

Altos & Baixos

Álvaro Beleza desce: Beleza já mostrou, e bem, que é uma voz que pensa pela sua cabeça dentro do PS. Não se percebe por isso a declaração desta semana, acusando o Governo de estar a tornar o Serviço Nacional de Saúde em Portugal equivalente ao sistema de Saúde do Ruanda. O soundbite entra no ouvido, mas o conteúdo é um disparate.

in Expresso – 31-08-2013

 

Figura da semana: Edite Estrela

Cada universidade tem os docentes que merece e a Universidade de Verão do PS tem Edite Estrela, que foi lá ensinar que o Governo já devia ter acabado “com os privilégios injustificados” dos juízes do Tribunal Constitucional. O pessoal da jota ficou encantado com esta apurada técnica de atirar porcaria para o ventilador e ninguém lhe perguntou se os privilégios dos eurodeputados também são para acabar.

in Correio da Manhã – 31-08-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Um país de políticos – João César das Neves

in Diário de Notícias – 02-09-2013

Fraudes convenientes – João Galamba 

in Diário Económico – 02-09-2013

Hora para ajustar o ajustamento? – Editorial

in Público – 01-09-2013

A economia e a política – Nicolau Santos 

in Exame – 01-09-2013

O bloco inevitável – Ricardo Costa

in Expresso – 31-08-2013

Pela nova possibilidade de votar Menezes em qualquer local do país – Comendador Marques de Correia

in Expresso /Revista – 31-08-2013

Inaceitável – Maria de Belém Roseira

in Correio da Manhã – 31-08-2013

 

PAULO PORTAS
 

Entrevista à ministra da Justiça

“Penso que quando há dois líderes de uma coligação, os dois têm que ter liberdades e responsabilidades. Naturalmente que numa coligação existem sempre tensões, são partidos diferentes. Isso pode até ser revertido e ser enriquecedor.”

in Público – 02-09-2013

 

O novo ciclo de fundos comunitários: a última oportunidade

Está em fase final o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) 2007-2013. A avaliação que fazemos deste programa confirma o que já tinha sido evidente nos quadros anteriores: os municípios são os que melhor e mais eficazmente executam os projetos e consequentemente os que garantem a boa execução dos fundos comunitários. Não obstante, a meio deste ciclo comunitário, em 2011, foi infligido um duro golpe nos projetos municipais e intermunicipais.

in Público – 02-09-2013

 

Encontro realiza-se amanhã

Durão Barroso reúne-se amanhã em Bruxelas com os dois membros do Governo responsáveis pelas relações com a troika. O presidente da Comissão Europeia vai receber em Bruxelas, a ministra das Finanças e o vice-primeiro-ministro.

in Diário Económico – 02-09-2013

 

Sobe e Desce

Uma de rodapé na história: António José Seguro e Paulo Portas não vão ficar na história desta rentrée. O líder do PS teve um discurso inconsequente e limitou-se a repetir mensagens políticas que estão na sua agenda há meses. Portas tem mais poder, de facto, no Governo, mas está sob pressão e não foi capaz de demonstrar como vai ser a relação de Portugal com a troika, agora sob a sua tutela.

in Diário Económico – 02-09-2013

 

Portas simplifica chumbo do TC

Ao contrário do primeiro-ministro, Paulo Portas não dramatizou o chumbo do Tribunal Constitucional ao regime de mobilidade na Função Pública nem aventou a possibilidade de um segundo resgate. Quase no fim do discurso de encerramento da “rentrée” política do CDS-PP, que decorreu anteontem, com a Convenção Autárquica, em Matosinhos, o vice-primeiro-ministro afirmou apenas que a sua resposta sobre o acórdão “é pragmática, realista e construtiva”.

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

“Gestão moderada das expectativas”

Com apenas uma câmara, o CDS/PP parte para as próximas eleições autárquicas, fazendo uma “gestão moderada das expectativas”. Ainda assim, Paulo Portas declarou, anteontem em Matosinhos, que “apesar das dificuldades”, o partido conseguiu apresentar-se a mais eleições locais do que há quatro anos. Paulo Portas recorreu à Câmara de Ponte de Lima para ilustrar a “gestão autárquica” do CDS: “A Câmara de Ponte de Lima não tem dívidas, tem depósitos, os vereadores não têm cartões de crédito. Alguns podem dizer que é só uma, mas porque não pode haver mais “Ponte de Lima” por Portugal?”. Paulo Portas pediu ainda aos eleitores para escolherem “pessoas de contas certas”.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Entrevista a Bagão Félix

“Não a conheço [Maria Luís Albuquerque] a não ser publicamente, mas acho que parece indiscutivelmente uma pessoa com capacidade e conhecimentos técnicos. Acho que foi a solução possível, pois dificilmente se encontraria uma pessoa disposta a ser ministro das Finanças vinda de fora no atual contexto. É uma decisão consistente do primeiro-ministro, falta é ver como se vai gerir todo esse conjunto de relações, designadamente com a troika, em termos da ministra das Finanças, do vice-primeiro-ministro e do próprio primeiro-ministro. Esse é o ponto fundamental, mesmo que ache ser possível conciliar as vertentes.”

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

“Gestão moderada das expectativas”

Com apenas uma câmara, o CDS/PP parte para as próximas eleições autárquicas, fazendo uma “gestão moderada das expectativas”. Ainda assim, Paulo Portas declarou, anteontem em Matosinhos, que “apesar das dificuldades”, o partido conseguiu apresentar-se a mais eleições locais do que há quatro anos. Paulo Portas recorreu à Câmara de Ponte de Lima para ilustrar a “gestão autárquica” do CDS: “A Câmara de Ponte de Lima não tem dívidas, tem depósitos, os vereadores não têm cartões de crédito. Alguns podem dizer que é só uma, mas porque não pode haver mais “Ponte de Lima” por Portugal?”. Paulo Portas pediu ainda aos eleitores para escolherem “pessoas de contas certas”.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

Entrevista a Bagão Félix

“Não a conheço [Maria Luís Albuquerque] a não ser publicamente, mas acho que parece indiscutivelmente uma pessoa com capacidade e conhecimentos técnicos. Acho que foi a solução possível, pois dificilmente se encontraria uma pessoa disposta a ser ministro das Finanças vinda de fora no atual contexto. É uma decisão consistente do primeiro-ministro, falta é ver como se vai gerir todo esse conjunto de relações, designadamente com a troika, em termos da ministra das Finanças, do vice-primeiro-ministro e do próprio primeiro-ministro. Esse é o ponto fundamental, mesmo que ache ser possível conciliar as vertentes.”

in Diário de Notícias – 01-09-2013

 

CDS: Regresso de Portas, agora vice

É um regresso de férias em versão dois em um — rentrée nacional e convenção autárquica —, mas tendo em conta o pouco peso local do CDS, e o muito peso nacional de Paulo Portas, a dimensão autárquica nunca seria o prato forte. Não é que faltem autarcas e candidatos, no palco, na plateia e em vídeo. Mas o encerramento da convenção, previsto para as 18h30, será a primeira grande intervenção de Portas a nível partidário desde a crise que começou com a sua demissão e acabou com a promoção a vice-primeiro-ministro. Será, por outro lado, a primeira oportunidade para realçar os indicadores positivos que começam a aparecer.

in Expresso – 31-08-2013

in Expresso – 31-08-2013

 

Portas tenta iniciar hora do crescimento económico

Paulo Portas vai valorizar os bons indicadores económicos das últimas semanas – o facto de Portugal ter sido o país europeu com maior crescimento e a descida do desemprego – para fazer a apologia da recuperação do investimento e do emprego.

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

Como os partidos dão a volta na campanha: Portas resguarda-se

O momento de maior impacto mediático destas eleições, para os centristas, será hoje, com a convenção autárquica, em Matosinhos, que Paulo Portas encerra ao fim da tarde. Depois, o presidente do CDS ainda poderá ir ao terreno apoiar pontualmente algum candidato — sobretudo no distrito de Aveiro, por onde é eleito deputado —, e na sede do partido há uma escala para organizar as deslocações dos principais rostos da direção, em ações de apoio aos candidatos.

in Expresso – 31-08-2013

 

Entrevista Manuel Monteiro

“Eu não tenho qualquer tipo de relação pessoal ou política com o actual vice-primeiro-ministro, mas como já passei aquela fase de reflexão sobre as relações pessoais creio ter ganho o distanciamento necessário para ter a expectativa de que razões maiores terão existido para ele ter considerado que afinal devia ter ficado. Um dia ele explicará eventualmente aos portugueses o que levou a fazer o que fez e a desfazer o que tinha dito tão convictamente.”

in i – 31-08-2013

 

Durão Barroso recebe Portas e Albuquerque

O presidente da Comissão Europeia vai receber na próxima terça-feira, em Bruxelas, a ministra das Finanças e o vice-primeiro-ministro, os dois membros do Governo agora responsáveis pelas relações com a troika, anunciou ontem o executivo comunitário.

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Artigos de opinião/ Comentários

Quem quer fazer a reforma do Estado? – Editorial de Helena Garrido

in Jornal de Negócios  – 02-09-2013  

Hora para ajustar o ajustamento? – Editorial

in Público – 01-09-2013

A economia e a política – Nicolau Santos 

in Exame – 01-09-2013

O chumbo terrível – Martim Avillez Figueiredo

in Expresso – 31-08-2013

 

Opinião dos leitores

Baralha e dá de novo

in Expresso – 31-08-2013

 

NUNO MAGALHÃES
 

Sobe e desce

Luís Montenegro e Nuno Magalhães sobem: Entra hoje em vigor a lei que regula os graffiti e prevê multas elevadas para os prevaricadores. A lei foi aprovada pelos grupos parlamentares do PSD e do CDS, que deste modo tentaram separar aquilo que é a arte urbana do vandalismo que degrada o espaço público e agride o direito de propriedade. A coacção por via da lei, bem se sabe, não resolve tudo, mas face ao que se verifica nas ruas ou nos transportes públicos não fazer nada seria a pior solução.

in Público – 02-09-2013

 

CDS
 

Lei que proíbe grafitos entrou ontem em vigor

A lei que regula a realização de grafitos e os proíbe em alguns locais públicos como monumentos e transportes públicos entrou ontem em vigor, prevendo coimas para os infratores que podem chegar aos 25 mil euros e penalizações que podem levar os custos da remoção a serem pagos pelos infratores. A proposta de lei foi votada favoravelmente em julho na Assembleia da República pelos deputados da maioria PSD/CDS-PP. Na ocasião, o PS absteve-se e a restante oposição votou contra a proposta, que visa atribuir às câmaras municipais a decisão de autorizar ou não a realização de grafitos.

in Diário de Notícias – 02-09-2013

in Público – 02-09-2013

 

Entrevista a Augusto Mateus

“A democracia é assim. É feita da combinação de poderes e do respeito por eles. As eleições em democracia não apuram a verdade, apuram quem tem o direito e o dever de governar. O que ficou desta primeira fase da governação foi uma ideia, que o Presidente da República não deixou de vincar, embora tardiamente, porque era clara há mais de um ano: é impossível honrar os compromissos e acelerar a entrada num período de recuperação sem uma base social e política mais larga para algumas medidas essenciais. Convém não ter ilusões: temos de ter um acordo entre o CDS, o PSD e o PS para as medidas essenciais mais difíceis, sob pena de não ser possível fazer a recuperação, que vai além dos tempos eleitorais.”

in  Exame – 01-09-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Um país de políticos – João César das Neves

in Diário de Notícias – 02-09-2013

O bode expiatório – Fernando Sobral 

in Jornal de Negócios – 02-092013

 

JOÃO SEMEDO E CATARINA MARTINS
 

BE acusa Governo de “brutal austeridade”

O coordenador do BE João Semedo considerou anteontem que um eventual segundo resgate financeiro a Portugal será da responsabilidade dos líderes do Executivo da maioria PSD/CDS-PP, pela “brutal austeridade” que impuseram ao País. Na sessão final do Fórum Socialismo 2013, em Lisboa, o deputado bloquista apelou ainda aos votos à esquerda nas eleições autárquicas de 29 de setembro como forma de penalizar a atual maioria parlamentar. “O Governo quer fazer crer, Passos Coelho quer fazer crer, que esse segundo resgate se tomou inevitável por causa da Constituição e do Tribunal Constitucional (TC) e que é a salvaguarda, a proteção, a defesa dos direitos dos trabalhadores que obriga o Governo a recorrer a um segundo resgate”, continuou.

in Diário de Notícias – 01-09-2013

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

 

Governo de “Direita Radical”

A coordenadora do BE, Catarina Martins, ao lado da deputada do partido grego Syriza, Theano Fotiou, acusou o Governo de ser uma “direita radical”.

in Correio da Manhã – 01-09-2013

 

BE exige explicações sobre urgências pediátricas

O deputado do BE João Semedo questionou o Governo sobre a transferência das urgências pediátricas do Hospital de Valongo para o Hospital de S. João, no Porto. “Se faz sentido permitir que as pessoas em idade pediátrica possam ser atendidas diretamente em pediatria no Hospital de São João, não faz qualquer sentido proibir o seu atendimento em clínica geral no Hospital de Valongo “, critica o também coordenador do BE, no requerimento dirigido ao Governo, citado pela Lusa.

in Jornal de Notícias – 31-08-2013

 

Líderes partidários regressam

Constitucional; Contas do Estado; Cavaco; Coligação; Câmaras. Cinco “C” que vão marcar o ano político que este fim de semana tem o seu grande pontapé de saída, com as rentrées políticas de Seguro, Portas e João Semedo. Além de Passos, que repete o discurso de rentrée, depois do Pontal, há quinze dias. O Governo, apesar dos sinais positivos na economia e na confiança, enfrenta uma tarefa hercúlea: o TC pode travar várias das leis da chamada reforma do Estado. As contas públicas estão ameaçadas e não há ainda garantias de folga por parte de Bruxelas. A coligação foi colada in extremis, mas vai ser submetida a testes duros. E o Presidente deve continuar no centro da vida política.

in Expresso – 31-08-2013

 

PEDRO FILIPE SOARES
 

Nada a assinalar.

BE
 

A nova deputada do BE vem de Londres e escreveu dois livros com Francisco Louçã

Quando as reuniões plenárias regressarem à Assembleia da República, a 16 de Setembro, Mariana Mortágua vai ocupar o lugar deixado vago por Ana Drago enquanto deputada pelo Bloco de Esquerda, num processo pouco pacífico. Um grupo de militantes do partido questionou a escolha, apelidando-a de “nada transparente”. Para que Mariana ocupasse este lugar, nove candidatos na lista de Lisboa tiveram de renunciar. Já a direcção justificou com o facto de se tratar de uma economista e esta área estar desguarnecida desde a saída de Francisco Louçã.

in Público – 02-09-2013

 

Rui Tavares recusa ser candidato pelo PS

“Se houvesse eleições amanhã não saberia em qual dos partidos votar. Pelo que só com grande inconsciência poderia ser candidato às europeias por um deles”. Rui Tavares, eurodeputado independente eleito nas listas do Bloco de Esquerda (e que, entretanto, saiu para os Verdes Europeus), ainda está em reflexão sobre o que fazer da vida depois de maio de 2014 – quando houver de novo eleições para o Parlamento Europeu – mas uma coisa é certa: pelos partidos “atualmente existentes” não será de novo candidato.  

in Expresso – 31-08-2013

 

BE. Grécia, Síria e guerras internas

O Bloco de Esquerda terminou, oficialmente, as suas férias de Verão no passado sábado, com a intervenção de João Semedo no Fórum Socialismo 2013.

in Expresso – 31-08-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Hora para ajustar o ajustamento? – Editorial

in Público – 01-09-2013

 

JERÓNIMO DE SOUSA
 

PCP nota “ódio à Constituição”

O secretário-geral do PCP entende que o Governo está isolado e derrotado, e que o Executivo e os partidos da maioria parlamentar PSD/CDS-PP partilham um ódio pela Constituição e pela democracia. Numa intervenção na Quinta da Atalaia, onde se ultimam os preparativos para a Festa do Avante que se realiza no próximo fim de semana, o líder do PCP teceu várias críticas, sentimento partilhado pelas várias dezenas que o ouviam sob um forte calor e que ensaiaram diversas vaias e apupos ao Governo, à troika, e aos partidos da coligação.

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

in Correio da Manhã – 01-09-2013

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

Líderes partidários regressam

Jerónimo de Sousa guardou-se para a Festa do Avante! no próximo fim de semana.

in Expresso – 31-08-2013

in Diário de Notícias – 31-08-2013

 

Como os partidos dão a volta na campanha

O PCP não irá mudar um milímetro na estratégia que já estava definida. “A CDU, independentemente da maior ou menor presença nos órgãos de comunicação social, nesta como nas restantes campanhas eleitorais, privilegia o contacto direto com as populações”, esclarecem os comunistas. “A programação eleitoral da CDU – e em particular a agenda” de Jerónimo de Sousa – que “leva em conta as principais prioridades e objetivos políticos e eleitorais, está construída na base de critérios idênticos aos de eleições autárquicas anteriores”, acrescenta o PCP. De resto, os comunistas concordam com a deliberação da CNE, que “dá expressão à legislação em vigor, respondendo e concretizando de modo adequado o princípio constitucional da igualdade de oportunidades e tratamento das diversas candidaturas eleitorais”.

in Expresso – 31-08-2013

 

BERNARDINO SOARES
 

PCP nota “ódio à Constituição”

O secretário-geral do PCP entende que o Governo está isolado e derrotado, e que o Executivo e os partidos da maioria parlamentar PSD/CDS-PP partilham um ódio pela Constituição e pela democracia. Numa intervenção na Quinta da Atalaia, onde se ultimam os preparativos para a Festa do Avante que se realiza no próximo fim de semana, o líder do PCP teceu várias criticas, sentimento partilhado pelas várias dezenas que o ouviam sob um forte calor e que ensaiaram diversas vaias e apupos ao Governo, à troika, e aos partidos da coligação.

in Jornal de Notícias – 01-09-2013

 

PCP
 

Pintura para evocar Cunhal em ano de centenário

O PCP do Porto lança, amanhã, uma obra dedicada a Álvaro Cunhal, no âmbito das comemorações do centenário do nascimento do histórico líder comunista, que junta a pintura de Agostinho Santos e um texto de Nuno Higino. “Álvaro Cunhal – Pinturas de Agostinho Santos” é uma espécie de molesquine, com uma pintura que se vai desdobrando em vários episódios da vida do antigo líder comunista.

in Jornal de Notícias – 02-09-2013

 

Carvalho da Silva faz ‘tabu’ sobre PCP

No final de maio, o “Expresso” questionou oficialmente o PCP sobre rumores que circulavam sobre a saída do militante Manuel Carvalho da Silva. A resposta surgiu lacónica: “O pedido de esclarecimento sobre essa matéria deve ser dirigido ao próprio”. O ex-líder da CGTP recusou explicar-se sobre este “não assunto”. Mas, três meses depois, o jornal “i” deu a notícia, que ninguém desmentiu. Na verdade, porém, também nenhum dos envolvidos explicou.

in Expresso – 31-08-2013

 

Artigos de opinião/ Comentários

Hora para ajustar o ajustamento? – Editorial

in Público – 01-09-2013

 

Scroll To Top